Quinta, 27 de Janeiro de 2022
23°

Pancada de chuva

Bom Jesus - PI

Mundo Vacinação

Para dar fim à pandemia, OMS quer criação de nova geração de vacinas

Na avaliação da organização, reforço com vacinas baseadas na versão original do vírus é insustentável para acabar com a pandemia

11/01/2022 às 22h53
Por: Felipe Rosal
Compartilhe:
 Para dar fim à pandemia, OMS quer criação de nova geração de vacinas

Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmaram, nesta terça-feira (11/1), que será necessário o desenvolvimento de uma nova geração de vacinas contra a Covid-19 para prevenir a infecção e transmissão das novas variantes do coronavírus.

A estratégia pode ser necessária para garantir a proteção contra as novas cepas, diminuindo a transmissão comunitária e a necessidade de medidas sociais e de saúde pública rigorosas, além da necessidade de doses de reforço periódicas.

Em um comunicado sobre as vacinas e o contexto atual, com a alta circulação da variante Ômicron, o Grupo Técnico Consultivo sobre Composição de Vacinas (TAG-CO-VAC) afirma ser improvável que a cepa descoberta em novembro de 2021 seja a última que o mundo verá.

“Enquanto a variante Ômicron está se espalhando rapidamente pelo mundo, espera-se que a evolução do Sars-CoV-2 continue e é improvável que essa seja a última VOC (variante de preocupação)”, escrevem os cientistas.

Eles pedem também acesso amplo das vacinas em todo o mundo, especialmente para grupos prioritários, para garantir a proteção contra doenças graves e morte e, a longo prazo, evitar o surgimento e o impacto de novas variantes.

“Em termos práticos, enquanto alguns países podem recomendar doses de reforço da vacina, a prioridade imediata para o mundo é acelerar o acesso à vacinação primária. Uma estratégia de vacinação baseada em doses repetidas de reforço da composição original da vacina é improvável que seja apropriada ou sustentável”, dizem os especialistas.

Nova geração de vacinas

De acordo com a OMS, as vacinas disponíveis atualmente continuam a proteger contra quadros graves e mortes provocados pelas variantes de preocupação, além de preservar os sistemas de saúde.

No caso da Ômicron, dados preliminares indicam que a eficácia das vacinas é reduzida contra a doença sintomática, contudo, é mais provável que a proteção contra quadros graves seja preservada.

“Até que essas vacinas estejam disponíveis e à medida que o vírus Sars-CoV-2 evolui, a composição das fórmulas atuais pode precisar ser atualizada, para garantir que continuem a fornecer os níveis de proteção recomendados pela OMS contra infecções e doença por VOC (variante de preocupação), incluindo a Ômicron e variantes futuras”, escrevem os especialistas.

Para tanto, os imunizantes precisam ser baseados nas cepas geneticamente próximas das variantes circulantes e provocar respostas imunes amplas, fortes e duradouras para reduzir a necessidade de sucessivas doses de reforço.

A OMS sugere o desenvolvimento de:

 
  • Uma vacina monovalente que induz uma resposta imune contra as variantes predominantes circulantes;
  • Uma vacina multivalente contendo antígenos de diferentes variantes do Sars-CoV-2;
  • E uma vacina “pan Sars-CoV-2”, que seria uma opção de longo prazo mais sustentável que seria efetivamente à prova de variantes.
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias